O ESTUDO DE COMPORTAMENTO DE GRUPO DURANTE QUATRO DÉCADAS

ALVIN ZANDER

Traduzido por Mauro Nogueira de Oliveira

The Journal of Applied Behavioral Science

NTL Institute for Applied Behavioral Science

Volume 15, Número 3, 1979,

Sem muito advertência, aproximadamente 40 anos atrás, os estudantes de comportamento humano desenvolveram um interesse em como grupos administram suas atividades. Este aumento de atenção entre estudiosos era evidente no número e conteúdo de publicações, a criação de uma cadeia de comunicações, e um desejo zeloso de alguns indivíduos, desta cadeia, para melhorar grupos ineficazes antes de qualquer um soubessem como poderiam ser feitos tais melhoramentos. Os cidadãos atraídos para pesquisar grupos e alguns declararam (extravagantemente bastante) que os produtos desta pesquisa proveriam, finalmente, respostas para sérios problemas do governo e relações sociais.

Durante as décadas subseqüentes o crescimento rápido desses anos cedo se acalmou para um passo mais calmo e para um exame mais fundo de tópicos particulares, enquanto que os estudiosos se interessaram em treinar os membros dos grupos se afastaram, a maior parte, dos campus das faculdades, ou pelo menos de investigadores, e alimentaram grupos em situações naturais e laboratórios de treinamento. . Neste artigo nós revisamos algumas das características principais na história da pesquisa em comportamento de grupo, fazendo um comentário sobre as atividades de treinamento que tiveram um impacto em investigações empíricas.

ANTES DE 1940

Antes de 1935 tinha havido pequeno esforço científico para entender processos de grupos. Pesquisas tinham sido transformadas em riso nas audiências assim como as características de personalidade dos pesquisadores, mas o único trabalho perto dos estudos atuais de vida de grupo continuava sendo como os grupos e indivíduos resolvem problemas, um tópico que permanece de interesse até hoje. A carência de investigações em atividades de grupos não são surpreendentes quando nós recordamos que os psicólogos dos anos trinta dedicavam a maioria da sua atenção ao estudo da fisiologia, das habilidades motoras e aos processos cognitivos do indivíduo. Psicólogos sociais ainda não tinham descoberto a sua identidade e os sociólogos, parte deles, ainda não estavam colecionando dados empíricos em grupos.

Na última metade dos anos trinta houve tentativas para explicar eventos dentro das organizações; vários desenvolvimentos notáveis em pesquisa sinalizaram este fato. Trabalho em estrutura de grupo e atração entre membros (Moreno, 1934), a influência de normas de grupo nos membros (Sherif, 1936), o impacto de convicções compartilhadas nas atitudes políticas de estudantes de faculdade (Newcomb, 1943), e o efeito que a sociedade teve nos sentimentos de um grupo de trabalhadores de fábrica (Roethlisberger & Dickson, 1939), revelou que aspectos de comportamento coletivo, previamente de interesse para filósofos sociais, poderiam tornar-se úteis sob investigação científica.

A pesquisa mais influente foi, sem dúvida, no estudo emergente de comportamento de grupo, aquela de Lewin, Lippitt e Branco (1939). As suas investigações de clima de grupo, conflitos intergrupos e estilos de liderança (autocrático, democrático e laissez-faire) fez uso, com modificações importantes, das técnicas disponíveis em psicologia experimental, observações controladas de comportamento e métodos de trabalho de grupo social. O propósito deles era expor alguns dos modos nos quais o comportamento de líderes pode diferir e descobrir como métodos de influência de liderança afetavam as propriedades dos grupos e o comportamento dos membros. Devemos notar que não era pretendido que estas investigações fizessem uma contribuição à tecnologia de administração de grupo per se. Eles buscaram prover perspicácia na dinâmica subjacente de grupos. Os métodos e resultados dos estudos sugeriram que pudesse ser possível construir um corpo coerente de conhecimento sobre a natureza da vida de grupo e eventualmente uma teoria geral de grupos. Estes estudos tiveram uma originalidade e significância que produziram um impacto no mercado das ciências sociais e profissões. Quase imediatamente, sócios de Lewin, e outros, começaram projetos de pesquisa, a maioria deles em laboratórios experimentais, projetados para produzir informações pertinentes para uma teoria de dinâmica de grupo. Os resultados deste trabalho formaram o núcleo de uma "massa crítica" que eventualmente fez esta especialidade distinta e aceita.

Foram assumidas as suposições de Lewin sobre as causas do comportamento humano particularmente ao estudo da vida de grupos, como ele assegurou que a maioria das variáveis que determinam comportamento em um determinado momento e lugar é existente naquela colocação. Eventos passados e alguns no futuro seriam interpretados em termos de suas representações psicológicas atuais. A ênfase de Lewin era nas forças e constrangimentos que surgem em situações conduzidas a uma concentração em pesquisa e treinamento no aqui-e-agora da vida do grupo. Porque tais noções eram especialmente apropriadas, o desenvolvendo de teoria, predição e experimentação, ajudaram a gerar um estilo especial de investigação.

DURANTE 1940

Quando estas investigações estavam caminhando, os Estados Unidos entraram na Segunda Guerra Mundial e a pesquisa em pequenos grupos foi realizada durante 5 anos. Em 1946, Lewin e um grupo de estudantes, fundou o Centro de Pesquisa para Dinâmica de Grupo no Instituto de Tecnologia de Massachusetts e em 1948 o Centro se mudou para A Universidade de Michigan depois da morte intempestiva de Lewin.

Pela pesquisa feita neste centro, em meia dúzia de outros centros com propósitos semelhantes em vários países e em vários campus e laboratórios do governo, o conhecimento sobre a psicologia social de grupos entrou em um período de crescimento ativo. Alguns dos tópicos estudados freqüentemente nos anos quarenta eram: a pressão social sobre os membros os colocam dentro de um grupo (Festinger, 1950), a direção e quantia de comunicações entre membros (Bavelas, 1950), contrastes no comportamento dos membros em grupos cooperativos e grupos competitivos (Deutsch, 1949), as conseqüências de líderes de comunidade de treinamento (Lippitt, 1949), e os efeitos do poder social entre crianças (Lippitt, Polanski, Redl & Rosen, 1952).

Os conceitos e métodos nestas pesquisas eram radicais para a época e disciplina. Assim, os cientistas submergidos nestes esforços acharam útil se organizar informalmente para trabalhar para um fim comum. Investigadores distantes um do outro criaram uma cadeia solta, trocando documentos e falando sobre as suas investigações em reuniões pequenas, conferências, visitas etc. As formações desta " faculdade " invisível de estudantes de grupos não eram distintas das associações voluntárias, descritas por Griffith e Mullins (1972), isso surge ao longo da história de ciência sempre que um tópico notavelmente novo é levado por membros de uma determinada disciplina. Muitos dos estudiosos de grupo cedo acreditaram firmemente que a produção das suas pesquisas teria um impacto largo para melhorar os métodos democráticos, e os investigadores trabalharam conscientemente para tal fim. Após o término da Segunda Guerra Mundial, era mais aceitável que aquelas pesquisas em comportamento humano teriam valor prático para a sociedade.

Cidadãos ordinários prestaram atenções consideráveis a esta pesquisa, e o estudo de processos de grupo recebeu tanto interesse na mídia daqueles dias como tinha recebido a recombinação do DNA, substâncias químicas tóxicas, tranquilizantes, ou os efeitos de computadores, em mais recentes anos. A razão para a atração desta pesquisa àqueles tempos será detalhada em algum dia. Porém, a pessoa pode adivinhar que a atração ao trabalho surgiu em parte porque todo o mundo estava preocupado o sobre o destino deste país após a Segunda Guerra Mundial e sobre o futuro de democracia como uma forma de governo. Então, eles estavam propensos a dar boas-vindas ao trabalho de cientistas que poderiam aumentar nossa compreensão ou a dinâmica de governar e poderiam sugerir modos de melhorar os procedimentos. Também, havia um medo difundido, durante os anos quarenta, das ditaduras que desenvolveram métodos irresistíveis para manipular as mentes ou homens. Talvez nós poderíamos aprender a opor tal pressão através da pesquisa feita por estudantes de grupos. Não menor era o interesse, até mesmo encantamento, nos métodos e resultados de experiências em pequenas sociedades no laboratório onde era mostrado que o comportamento contrastante de membros de grupo, debaixo de circunstâncias contrastantes, poderia ser previsto e explicado. Os cidadãos haviam aprovado os cientistas da física que surgiram durante os anos quarenta porque estes tinham ajudado a ganhar a Segunda Guerra Mundial. Talvez os cientistas sociais poderiam ser úteis em problemas de vida de grupo se eles recebessem determinado encorajamento formal e apoio. Adequadamente, no final da década, o Escritório de Pesquisa Naval criou uma unidade para prover capitais para pesquisa em comportamento de grupo embora a relevância do trabalho para o exército.

Um outro desenvolvimento nos anos quarenta é notável. Em 1947 o Laboratório de Treinamento Nacional para Desenvolvimento de Grupo era organizado pela Divisão de Educação de Adulto da Associação de Educação Nacional, em cooperação com o Centro de Pesquisa para Dinâmica de Grupo. Este era um seminário de três semanas assistido por profissionais de várias áreas que desejavam melhorar seu conhecimento de grupos e de suas habilidades como membros e gerentes. Porque havia uma provisão limitada de conhecimento disponível para os participantes deste tipo de laboratório, os professores confiaram em que os estudantes aprenderiam através das suas experiências em pequenos grupos de discussão. Este procedimento encorajou conversa sobre os assuntos que os excitaram e estes se mostraram ser sentimentos pessoais, relações entre membros, diferenças de percepções e explicações para estas diferenças. Tal interação centrada na pessoa, como nós veremos, foi de muito valor para o estudo de grupos. Uma conta destes desenvolvimentos é oferecida no livro Além das Palavras por Kurt Back (1972).

Desde o princípio, os fundadores do National Training Laboratory tiveram idéias diferentes entre eles sobre os propósitos da unidade. Alguns destes objetivos eram: ensinar dinâmica de grupo, ensinar aos consultores como facilitar mudança dentro de uma organização, ensinar aos membros da sociedade habilidades básicas, treinar os participantes nos métodos pedagógicos que são empregados no laboratório, e administrar pesquisa em comportamento de grupos. Por causa destas visões distintas, as reuniões dos pesquisadores quando planejavam cada laboratório eram vivazes e estimulantes, para dizer o mínimo. Não havia nenhum interesse inicial, nós deveríamos enfatizar, encorajando crescimento pessoal, saúde mental, ou sensibilidade para relações interpessoais.

DURANTE OS ANOS 50

Na década de cinqüenta, a pesquisa na psicologia social de grupos era altamente inovadora e a taxa de publicação mais que dobrou, de acordo com Hare (1976). Autores de capítulos em pesquisa de grupo na Revisão Anual de Psicologia publicada em 1951, 1953, 1954 e 1958 comentam que o estudo de grupos era um trabalho vivo e criativo em psicologia social e provia um enfoque para o campo inteiro.

Os tópicos para investigação já eram esses mencionados, mais: o fluxo de comunicação em grupos quando os membros têm graus diferentes de conexão entre eles, poder interpessoal para influenciar, as fontes de coalizões, e a natureza e conseqüências de relações equilibradas dentro de grupos. Bales (1950) desenvolveu um método para observar e codificar comentários feitos por participantes em pequenos grupos de resolução de problemas. O tratamento destes dados, foi chamado de análise do processo de interação, e revelou que tipo de observações (perguntas, sugestões, acordos etc.) era mais provável aparecer a cada fase dos esforços de um grupo de solução de problemas. Este trabalho forma a base daquilo que os sociólogos chamam de estudo dos pequenos grupos (Hare, Borgata & Bales, 1955). Porém, se concentrou nos atos e papéis individuais, e pouca atenção foi dada para o grupo como uma unidade.

As propriedades dos grupos, suas origens e conseqüências, contavam, neste tempo, uma meta para o estudo de dinâmica de grupo; muitos dos achados ou pesquisas focalizaram uma ou mais destas propriedades, como coesão, metas e liderança. Um livro que resume resultados de pesquisa em dinâmica de grupo, organizado de acordo com tais títulos, foi publicado por Cartwright e Zander em 1953.

Embora a pessoa pudesse identificar um corpo coerente de conhecimentos dos resultados de pesquisa de grupo, havia ilhas de achados que não se ajustaram bem e estes resultados separados não foram incluídos em resumos do campo. Agências governamentais começaram a prover ajuda financeira para pesquisa de grupos: o Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos, o Instituto Nacional para Saúde Mental, partes do Departamento de Defesa, e (mais tarde) a Fundação de Ciência Nacional. Além disso, não era difícil obter concessões para projetos promissores, de fundações privadas e firmas industriais. Era um tempo vivaz mas não bem organizado a ser envolvido no estudo de grupos.

Pelo meio desta década o Laboratório de Treinamento Nacional em Desenvolvimento de Grupo que já não teve uma relação formal com o Centro de Pesquisa para Dinâmica de Grupo derrubou as palavras: "em Desenvolvimento de Grupo" de seu título, e se orientou para a independência da Associação de Educação Nacional. O NTL encorajou laboratórios em várias partes do país. A mais proeminente destas filiais era a Universidade de Los Angeles, orientada por estudantes de teoria da personalidade, não psicologia social. Estes professores nutriram uma ênfase em crescimento pessoal e relações interpessoais e usaram o grupo como um instrumento para o seu ensino, não como um assunto de instrução em si mesmo. Eles colocaram mais ênfase em sentimentos pessoais e problemas que em cognições ou informação - assim o termo " treinamento de sensibilidade" era uma designação apropriada para o seu estilo de ensino.

Desenvolvimentos comparáveis estavam ocorrendo no laboratório original como o treinamento para enfatizar autoconsciência e melhoria pessoal em lugar de entendimento de propriedades de grupo. Críticos surgiram, especialmente entre os psicólogos e profissionais de saúde mental. Eles acreditavam que as atividades dos laboratórios geravam tensão nos participantes e que havia pequena evidência de que as atividades tivessem efeitos favoráveis naqueles que os experimentaram. Os partidários do treinamento defenderam seus programas afirmando que eles estavam fazendo pesquisa e ensinando sobre comportamento de grupo, não promovendo aconselhamento para indivíduos. Tinha ficado evidente, porém, que um laboratório de treinamento não era um lugar satisfatório para administrar pesquisa básica, como a coleta de dados freqüentemente interferiu com atividades pedagógicas e controles experimentais adequados raramente poderia ser desenvolvidos em um grupo de treinamento.

DURANTE OS ANOS 60

Pelos anos sessenta, o estudo de comportamento de grupo tinha se tornado uma subdisciplina aceita em departamentos de Psicologia e em lugares para o estudo de Sociologia, Serviço Social, Saúde Pública, Educação e Administração. Artigos técnicos nesta especialidade apareceram um pouco menos freqüentemente do que eles fizeram na década anterior. O número de publicações de pesquisa derrubou de talvez 150 em um ano para 120, mas eu não conheço nenhuma conta precisa desta freqüência. Em contraste, ensaios no uso de grupos em educação, terapia e administração aumentaram em números. Muitos dos que haviam estado fazendo pesquisas na psicologia social de grupos se moveram para outros interesses sem conexão com a vida dos grupos e todos os centros estabelecidos para pesquisa em grupos, excluindo um no Michigan, fecharam pelo meio da década. Sherif (1977) e Steiner (1`974) afirmam que aqueles muitos psicólogos sociais do estudo de grupos e outros fenômenos coletivos mudaram para o estudo de indivíduos durante os anos sessenta.

Se esta redução de interesse em grupos aconteceu de fato, por que isto aconteceu?

Várias razões podem ter jogado uma parte.

1. Pesquisa em grupos é mais difícil que pesquisa em indivíduos: quando o grupo (comparado aos indivíduos) é a unidade de estudo, muitos de vários assuntos são precisados, eles são mais difíceis de apropriar no número exigido no momento formal, os custos são mais altos, e o desenho, medida e análises são mais complicados e complexos.

2. Conceitos sobre vida de grupo são freqüentemente também muito desajeitados para usar, muito austeros para atrair interesse, ou muito complicados para testar com confiança.

3. Resultados de pesquisa em grupos podem ser fracos e de difícil convencimento por que é difícil estabelecer regras quando se está medindo os comportamentos variados em um grupo. Assim, muitos investigadores de grupo obtêm pequena satisfação dos seus esforços.

4. Um investigador pode obter mais ajuda da literatura atual quando estudando os indivíduos que quando estudando grupos.

5. Capitais para o apoio de pesquisa social começaram a estar escassos nos anos sessenta e o estudo de grupos não tornou-se atrativo para estes capitais.

Os fãs da dinâmica de grupo também encolheram em número durante os anos sessenta, assim como seus interesses movidos, junto com mudanças em assuntos sociais do tempo, para tópicos onde o estudo de grupos era nem tão longo nem tão crucial. Alguns dos problemas da vida de grupo durante os anos sessenta e os anos setenta não estavam priorizados, além disso, isso estimulou teorias a respeito de como o grupo efetivamente administra seu negócio. Ao contrário dos anos quarenta, era pretendido agora estudar as situações de grupo que provocam mudanças sob condições fora do grupo, ou seja: demonstrações, rompimentos e outras formas de confronto e combatividade, em lugar de pelo uso do processo democrático. Não se pode observar esforços fáceis para criar mudança social, e assim a pesquisa em tais tópicos ocorria após ocorrido o fato. Como resultado, não foram desenvolvidas teorias sãs nestes assuntos. "Guardas de grupo" podem ter notado, além disso, que os resultados de pesquisa em comportamento de grupo não tinham correspondido às expectativas principais seguradas para eles depois de Segunda Guerra Mundial - o mundo não tinha sido mudado. Também, muitos dos melhores resultados conhecidos de pesquisa de grupo enfatizaram os efeitos ruins de grupos nos seus membros - uma visão que não despertou entusiasmo pelo estudo de comportamento de grupo. Acompanhando esta troca de interesse entre não-cientistas era uma dissolução gradual da cadeia que tinha sido formada entre estudiosos notáveis. A redução de fervor ativista dentro desta cadeia, porém, não era só uma característica deste campo. Griffith e Mullins (1972) observou que os mais prósperos, de associações informais entre cientistas, não duraram mais do que 10 a 15 anos, normalmente por causa de baixa vitalidade científica ou baixa distinção do trabalho dos membros e porque modismos mudaram entre partidários de pesquisa. Estes autores acreditavam que uma cadeia tem que desenvolver uma teoria coerente para durar, e uma não houve desenvolvimento de coerência nas explicações de comportamento em grupos.

Os tópicos na moda para pesquisa em grupos durante estes 10 anos eram conformidade dos grupos sob pressão, relações interpessoais entre pares de pessoas com motivos diferentes (o dilema do prisioneiro), a " troca " arriscada e facilitações sociais. Em 1967, Gerard e Miller comentaram na Revista Anual de Psicologia que a maioria do recente trabalho sobre grupos já trazia conclusões familiares. Em parte, isto era verdade.

DURANTE OS anos setenta

Nos anos setenta, os principais tópicos de pesquisa eram ainda familiares. Evidência para isto pode ser vista em uma conta de investigações de grupo durante 1975, 1976 e 1977 que eu preparei para a Revista Anual de Psicologia (1979). Os tópicos freqüentemente estudados durante os 3 anos eram: pressões sociais em grupos, as fontes (não as conseqüências) de coesão de grupo, e cooperação contra competição em grupos. Menos popular, mas não menos familiar, era: liderança, estrutura de grupo e resolução de problemas em grupos. Polarização de convicções entre os membros, e outros processos cognitivos em grupos, como interesse recentemente que atraiu investigadores para a pesquisa do tamanho do grupo e padrões de distância física entre os participantes. Um bom grau de atividade, então, aconteceu em pesquisa, embora o número de agências e os dólares para apoiar o trabalho tenha diminuído nos anos 70 a muito menos que nos primórdios dos anos 60. Psicólogos sociais começaram a se preocupar com a natureza e direção do seu campo e subcampos , inclusive comportamento de grupo (Ring, 1967; Steiner, 1974; Elms, 1975; Silverman, 1977). Finalmente, o uso dos grupos para ajudar o "crescimento" pessoal de indivíduos se tornou grande negócio durante os anos setenta e provêem um serviço rápido para pessoas ansiosas que esperavam, durante os anos setenta, comprar conforto sem investir em terapia.

ALGUMAS OBSERVAÇÕES GERAIS

Durante anos, desde que a pesquisa em grupos começou, várias características simbolizaram seus métodos. A maioria das investigações foi de experiências controladas e uma boa proporção destas usaram um instrumento, um experimento, ou procedimento inventados por outra pessoa. Parte da razão para esta dependência em métodos estabelecidos é que muitos estudantes de graduação e seus professores também, não podiam obter capital para um programa de estudos, assim eles administraram experiências isoladas que tinham uma probabilidade alta de sucesso.

Apesar da preferência para o método experimental, houve surpreendentemente algumas ricas teorias em dinâmica de grupo. Isto diz algo sobre a dificuldade de explicar eventos coletivos. Nenhuma dúvida de muitas teorias foi descartada porque os resultados de obstinados pesquisadores não encontrariam apoio para testar as hipóteses desenvolvidas nas teorias; e revisões nestas idéias para ajustar ao momento atual não aconteceram em testes mais recentes. Em outras ciências e em outros braços da psicologia, os estudiosos podem rever e ajustar suas previsões as idéias surgidas em um laboratório, observando fenômenos que os interessa. Mas os investigadores de grupo raramente têm coletivos disponíveis. Realmente, o fenômeno que eles estudam não pode se assemelhar a nada que eles podem notar em um grupo natural. Como resultado, teorias sobre grupos são muito freqüentemente longas em lógica e pequenas em habilidades de pesquisa.

Como é verdade que em muitos outros campos, conceitos mais precoces na psicologia social de vida de grupo são substituídos gradualmente através de idéias mais novas e posteriormente são declarados um pouco mais ajustados que as noções originais. Ilustração: Trabalho no impacto de decisões de grupo gerou estudos de pressões sociais em grupos; demonstrações de estilo de liderança passaram a pesquisar o poder social; pesquisa na troca arriscada se tornou trabalho em origem das idéias polarizadas em discussão; e, investigações de competição intragupos desenvolveram modos de solucionar conflitos de intergupos. Embora nós podemos facilmente achar exemplos como esses citados, nos quais houve movimento para maior especificação de conceitos, a pesquisa em comportamento de grupo sofre de uma ausência de utilidade e bem claras noções primárias. Exemplos de termos vagamente usados em pesquisa são: liderança, socialização e ambiente social. Na ausência de precisões adequadas, idéias como estas não podem ser manipuladas em uma situação consistente no laboratório ou suas medidas validadas na conferência. Talvez estudantes de grupos se beneficiariam com um retorno aos dias em que os estudiosos se preocuparam em como construir conceitos úteis; mas esta idéia não está pronta para ressurreição, temo eu.

Quando conceitos se tornam resultados mais válidos e comumente aceitos, novas pesquisas são integradas mais facilmente em um (crescendo) corpo de sabedoria. Como as coisas estão agora, os investigadores de vida de grupo são notavelmente inventivos em criar novos termos para fenômenos que já tem um nome perfeitamente útil e criam confusão mais semântica do que necessidade. Por exemplo, vários sinônimos existem para denotar: o desejo de um membro para permanecer em um grupo, as funções de liderança, os fins para os quais grupos se esforçam, e as dimensões da estrutura de grupo. Além disso, termos diferentes são freqüentemente usados para a mesma definição, e um determinado estudioso pode ignorar pesquisa feita debaixo de uma etiqueta diferente daquela que ele prefere, embora os resultados da pesquisa sejam bastante pertinentes para o seu próprio interesse. O que pode ser pior é ilustrado em um recente livro onde o poder interpessoal para influenciar é um tema primário. O autor provê uma definição de poder social que não está em nenhuma parte próxima das definições usadas nos estudos de poder que ela resume completamente. Assim, ela reúne dados para apoiar uma visão que os estudos não apoiam em nada. Claramente, a incerteza de conceitos em comportamento de grupo pode conduzir a uma falta de precisão.

Um número relativamente limitado de tópicos foi explorado fora do número disponível para investigação. Alguns exemplos de perguntas que têm gerado pequeno estudo considera a importância delas na vida das organizações: Por que é tão difícil de expelir um membro de um grupo? Por que grupos recrutam certas pessoas em lugar de outros? Quais são as razões para o segredo como uma rotina praticada em organizações? Por que um gerente moderno é conhecido por comportamento abrasivo pelos subordinados? Por que grupos estabelecem metas difíceis? Como os membros podem melhorar a eficiência de reuniões? Como as organizações respondem a regulamentos que limitam as ações? A pessoa pode pensar facilmente em outros assuntos que garante estudo: mudanças nas propriedades de grupos com o passar do tempo, por que os membros participam em um grupo, as fontes de conflito entre grupos, os efeitos contrastantes de centralizações e descentralizações em um grupo, as origens das metas de um grupo, as causas de produtividade em um grupo, ou os efeitos do ambiente social em um grupo. Em um recente volume discuti vários destes assuntos com uma visão para pesquisa estimulante (Zander, 1977).

Por que tópicos maduros não são escolhidos para estudo? Uma razão, já implícita, é que os investigadores estão ocupados planejando e administrando experiências em assuntos mais familiares; de fato, um investigador raramente se move para assuntos que são imensamente diferentes dos dele ou para áreas anteriores de seu interesse. Outra razão é que um problema pode ser reconhecido amplamente como um candidato para pesquisa mas não é um tópico aceitável aos olhos de investigadores potenciais, esses que aconselham os investigadores, esses que editam diários, ou esses que provêem capitais para pesquisa. O problema pode ser conhecido bem mas deixe de lado porque não há nenhum dado básico no assunto, não podem ser feitas medidas fidedignas do fenômeno envolvido, os assuntos teóricos não são declarados claramente, ou o projeto é muito caro e vai despender muita energia.

Como é dito freqüentemente, é verdade que nada é tão prático como uma boa teoria. Tal teoria pode explicar as causas e esforços de um determinado evento em diferentes situações. Através dos resultados de pesquisa, as pessoas discernem como melhor se ajudar porque elas identificam que condições conduzem a que conseqüências, e por que. A inovação da pesquisa em dinâmica de grupo esteve em um planalto durante alguns anos. Não permanecerá neste nível por longo tempo se novas necessidades e novos meios estimularem novos desenvolvimentos entre os estudantes do comportamento de grupo.